1/15

Milton Tortella  I  Auxílio Revisitado  I  2020

 

A série “Auxílio” tenciona sobre a necessidade de revisão no orçamento da união, uma vez que existe uma parcela enorme da população brasileira precisando sobreviver, fazendo parte dela artistas, coletivos, profissionais da área e espaços independentes de artes visuais. Quantos profissionais ligados à produção de arte contemporânea podem ser beneficiados com a realização de atividades culturais com as verbas destinadas aos auxílios, entregues aos 513 parlamentares, como, por exemplo: combustível, moradia e outros, que inclui o emblemático auxílio-paletó1.

 

Esta reflexão vem acompanhada da seguinte pergunta: O que fazer caso tivesse acesso a uma parcela destinada a um deputado federal? A resposta surge como desdobramento dos trabalhos, que é, antes de mais nada, colocá-los à venda, de forma independente <comgaleria.art.br>, e destinar os valores arrecadados2 com as vendas ao comissionamento do artista e ao Ato Arte coletivo, que pretende ativar3 como espaço cultural uma barbearia de 1944 no Bairro do Belenzinho, além de colaborar com outros espaços independentes.

 

1. Os valores que denominam os trabalhos desta série têm como base de cálculo a média paga em auxílios, em 2019, a cada um dos 513 deputados federais, vezes quatro anos de mandato. No caso do auxílio-combustível são 324 deputados federais que foram contemplados, tomando como base comparativa os valores transferidos pelo PROAC 2019 para a produção de exposições inéditas de artes visuais. No auxílio-paletó a base é o valor do Edital Prêmio Funarte RespirArte para a criação de trabalhos artistícos. E no auxílio-moradia, a referência é o valor médio de uma casa de 100 m2 no bairro sede do espaço cultural almejado.

 

2. Do total previsto com as vendas dos trabalhos: R$ 361.761,52, serão descontados impostos, transporte e os custos com tarifas e investido no projeto.

 

3. Reforma do espaço, equipamentos de som, projeção e iluminação, bem como desenvolver uma programação e equipe para contratação e comissionamento de gestores, arte-educadores (oficinas), monitores, residências artísticas, criação de uma biblioteca pública, espaço expositivo e de debate.